Pesquise no blog

quinta-feira, 30 de janeiro de 2014

Síndrome de Hutchinson-Gilford

Síndrome de Hutchinson-Gilford

É uma doença genética 
extremamente rara que 
acelera o processo de 
envelhecimento em 
cerca de sete vezes 
em relação à taxa
 normal. Uma criança 
com 10 anos se 
parece com uma 
pessoa de 70 anos. 
A palavra progeria é 
derivada do grego e 
significa "prematuramente 
velho". A expectativa
 média de vida das
 pessoas é de 14 anos
 para as meninas e 16
 para os meninos. 
Desde a sua identificação
 foram relatados cerca de
 100 casos. As vítimas de 
progeria nascem bebês
 normais mas, por volta 
dos 18 meses, começam 
a desenvolver sintomas

 de envelhecimento precoce.

Características

As principais características
 clínicas e radiológicas
 incluem a queda do 
cabelo, perda de gordura 
subcutânea, artrose 
estatura baixa e magra,
 clavícula anormal, 
envelhecimento prematuro,
 face estreita, pele fina e 
enrrugada, puberdade
 tardia, sobrancelhas 
ausente, unhas dos pés 
finas, voz anormal, lábios 
finos , osteoporose entre 
outras. A inteligência não 
é afetada. A morte 
precoce é causada 

por aterosclerose.

Não há cura, e até
 a conclusão da
 pesquisa, no final
 do ano passado,
 sua causa era 
desconhecida. 
Agora, cientistas
 franceses e 
norte-americanos 
descobriram que 
a doença está 
ligada a um gene
 que controla a 
estrutura do núcleo
 das células. Neste
 caso as pesquisas
 estão avançando 
para uma provável 

cura da doença.


CAXUMBA

CAXUMBA


A caxumba é uma
 doença causada
pelo enterovirus, um
 tipo de vírus que acomete
  caracteristicamente as
 glândulas parótidas,
 que são as maiores
 das três glândulas

 salivares.

SINTOMAS

Os principais sintomas
 da doença são: febre, dor
na face e aumento do
 volume das glândulas
 salivares. Ela também
pode provocar dor no
corpo e na cabeça.
 Complicações mais
 graves são raras, mas
podem ocorrer, entre
 elas inflamação nos
 testículos (orquite),
 inflamação nos ovários
 (ooforite) em mulheres
acima de 15 anos,
 inflamação do pâncreas
(pancreatite) e inflamação
que envolve cérebro e

 meninges (meningoencefalite).

TRASMISSÃO

A transmissão é principalmente
 aérea, por meio de gotículas
 de saliva do doente que
 possui o vírus. Na maior
 parte das vezes, a infecção
 se manifesta na infância.
 Porém, hoje a doença é

 rara por causa da vacinação.

TRATAMENTO

Não há tratamento específico,
o que se faz é aliviar os
 sintomas com anti-inflamatórios.
 São indicados repouso, o
 uso de medicamentos
 analgésicos e observação
de possíveis complicações.
 No caso de inflamação nos
 testículos, o repouso e o
 uso de suspensório escrotal
são fundamentais para o

alívio da dor.

MULHERES GRÁVIDAS

 Mulheres que nunca tiveram
caxumba, nem tomaram a
vacina, devem procurar um
posto para serem vacinadas
 antes de engravidar. Na
 gestação, a doença pode

provocar aborto.

PREVENÇÃO

A prevenção é feita
com o uso de vacina
 produzida com o vírus
 vivo atenuado da doença,
 e faz parte do Calendário

 Básico de Vacinação.

CUIDADOS DE
ENFERMAGEM

- Manter repouso no leito
- Fazer higiene oral e gargarejo frequente
- Administrar dieta pastosa devido a dieta
para mastigar

- Observar presença de orquite e ooforite;
- Fazer controle freqüente de temperatura;
- Observar e comunicar sinais de
alterações no comportamento;
- Manter precauções respiratórias,
 principalmente máscara e luvas, durante
 o período de transmissão.







terça-feira, 28 de janeiro de 2014

CATAPORA

O QUE É CATAPORA???



A Catapora, também conhecida
como Varicela, é uma doença
 infecciosa aguda, altamente
 transmissível, causada pelo
 vírus varicela-zóster. Está
 classificada entre as
 afecções do tipo
 exantemáticas,
 aquelas que trazem
 como conseqüência
 erupções na pele.

A doença é mais comum
 em crianças entre 1 e 10
anos, porém pode ocorrer
 em pessoas suscetíveis
 - não imunes - de qualquer
 idade. Na maioria das
 vezes evolui sem
consequências mais
 sérias, mas em pessoas
 com imunodeficiência ou
 em adultos, o quadro
 pode resultar numa
 manifestação
hemorrágica grave,
 pneumonia e infecção
 bacteriana secundária,
devido à contaminação
 das feridas da pele.

Em todo inverno
observa-se um
aumento do número
de casos da doença,
explicado pela
permanência maior
 das crianças em
ambientes fechados,
 como creches e salas
 de aula.
  Por isso, a catapora
 é considerada uma
doença endêmica e
não epidêmica,


SINTOMAS



O principal sintoma da catapora,
 a erupção na pele, tem início
 após um período de incubação
 que varia entre 10 e 21 dias.
 Num primeiro momento as
 lesões são do tipo macular,
 que se caracterizam por
 bolinhas vermelhas.
 Rapidamente evoluem
 para formar pequenas
vesículas, bolhas, com
 conteúdo líquido que se
rompem e dão origem às
 feridas. Essas feridas
 ganham uma crosta
 na fase de cicatrização.
 Caso cocem, só há
riscos de cicatriz externa
 quando e se a ferida
 infeccionar. A geografia
 da doença começa no
tronco e só depois se
 dissemina para braços
 e pernas. Acompanham
as erupções: febre, prurido
 (coceira) e desconforto
generalizado.

TRANSMISSÃO

Ocorre, principalmente, pelas
gotículas de saliva, pelo
espirro e pela tosse ou
 pelo contato direto com
 o líquido das bolhas.
Mais raramente, pode
acontecer de forma
indireta, pelo contato
 com objetos
recém-contaminados
 com secreção das vesículas.

É possível ainda a
 transmissão da
 varicela durante
 a gestação, através
 da placenta.
Pessoas acometidas
 pelo vírus transmitem
 a doença durante todo
o período de formação
das lesões da pele,
 que dura, em média,
de cinco a sete dias.

TRATAMENTO

Por ser uma doença viral, o
ideal é a prevenção através
 da vacina. Uma vez contaminado,
 o paciente deve ficar em casa,
 longe do convívio social, e
esperar que as lesões da
 pele cicatrizem, para só
 aí retomar sua rotina normal.

Via de regra são administrados
 antitérmicos para controlar
 a febre e a prostração.

VACINA


Uma única dose da vacina,
 aplicada por via subcutânea,
 protege 97 % das crianças
 com até 13 anos. Resultados
 semelhantes são obtidos
 em pessoas maiores de
13 anos com a aplicação de
duas doses da vacina. Sua
 indicação inclui todas as
 pessoas maiores de 1 ano de idade.

CUIDADOS DE ENFERMAGEM

Não colocar pomadas
Não furar as vesículas
Medicar conforme
prescrição médica
aferir  sinais vitais
Ambiente seco e
calmo



domingo, 26 de janeiro de 2014

COMUNICAÇÃO DO COREN...

Resolução do COFEN 
normatiza o procedimento 
de Sondagem Vesical

Comunicação / 
COREN-SP

A Resolução nº 450/2013, publicada
 em dezembro pelo COFEN -
 Conselho Federal de Enfermagem,
 estabelece as competências da
 equipe de Enfermagem em
 relação ao procedimento de
Sondagem Vesical (introdução
 de cateter estéril, através da
 uretra até a bexiga, para drenar
 a urina). Segundo o Parecer
 Normativo, aprovado pela
Resolução, a inserção de
 cateter vesical é função 
privativa do Enfermeiro,
 em função dos seus
 conhecimentos científicos
 e do caráter invasivo do
 procedimento, que envolve
 riscos ao paciente, como
 infecções do trato urinário

 e trauma uretral ou vesical

O Parecer ressalta que ao
 Técnico de Enfermagem
 compete a realização das
 atividades prescritas pelo
 Enfermeiro no planejamento
 da assistência, a exemplo
 de monitoração e registro
 das queixas do paciente
e condições do sistema
 de drenagem, do débito
 urinário; manutenção de
 técnica limpa durante o
 manuseio do sistema de
 drenagem e coleta de
 urina para exames;
 monitoração do
balanço hídrico
 – ingestão e
 eliminação de
 líquidos, sempre
sob supervisão e
 orientação do Enfermeiro.


CANCÊR PREVENÇÃO É CURA!!!


PREVENÇÃO É CURA


O QUE É CANCÊR????


CÂNCER

É o termo utilizado
para se referir a mais
de 100 tipos de
doenças nas quais células
que sofreram
alterações genéticas
chamadas então de
neoplásicas ou
cancerígenas, se
dividem sem
controle, podendo
invadir tecidos
do organismo
por meio da 
circulação
sangüinea e do
sistema linfático.

Câncer e nomeado
de acordo com o
órgão atingido ou
tipo de célula onde se
carcinoma- câncer 
de pele

sarcoma- tecido
conjuntivo(osso)

linfoma- linfonodos

leucemia- sangue

CAUSAS
São variadas
podendo ser
externas ou
internas ao
organismo,
estando ambas
inter- relacionadas
As Causas externas
relacionan-se  ao
meio  ambiente
social e cultural.
As causas internas
são, na maioria
das vezes,
geneticamente
pré-determinadas
estão ligadas à
capacidade do
organismo de se
defender das
agressões
externas.

PREVENÇÃO

Muitas vezes os
fatores de risco
estão relacionados
à idade,sexo e 
características da
saúde do
indivíduo. Desse
modo, a relação
do câncer e da
gética também
se destaca na
capacidade do
organismo de
defender das
agressões externas.
-prevenção uso
de protetor solar
- não fumar
- alimentação 
balanceada

TRATAMENTO
Braquioterapia
Hormônioterapia
Imunoterapia
Quimioterapia
Radioterapia
Transplante de
médula óssea

CUIDADOS DE
ENFERMAGEM
AO CLIENTE
COM CÂNCER

Certificar-se se o
cliente quer receber
visitas
-trate o cliente
como você sempre
tratou
- sente-se ao lado
dele
- converse tudo
com ele assuntos
gerais
- manter cuidados
com quimioterapia
- observar e anotar
nível de consciência
grau de orientação
- estado emocional
- nauseas e vômitos
- queixar algicas
- prurido,palidez
sudorese e icterícia 
- edema e nódulo
- verificar e anotar
peso diário

SINTOMAS
Perda de peso
Anorexia
Atrofia de tecidos
Caquexia
Depressão
Náuseas e vômitos
Infecção e ulcerações
Obstrução da função

27 de novembro

DIA NACIONAL
COMBATE AO
CÂNCER

 

CURATIVO DE EMERGÊNCIA

CURATIVOS


Todos nós estamos sujeitos 
a sofrer qualquer tipo de
 acidente que pode resultar 
em um ferimento, por isso
 é importante conhecer os 
procedimentos de como 
realizar um curativo para
 proteger o machucado, 
até que um médico possa 
avaliá-lo e fazer um curativo
 que seja compatível com a 
necessidade do ferimento.


Veja agora um passo a
 passo, de como realizar
 um curativo de 
emergência, mas 
lembre-se de procurar
 um médico para que
 ele avalie se é necessário
 outros tipos de cuidados: 

1. Lave as mãos antes de 
manipular a ferida e
 começar o curativo. 
2. Limpe o local do 
ferimento com soro 
fisiológico ou água corrente. 
3. Seque a área em
 volta do machucado.
 Cuidado para não
esfregar.


4. Fixe o esparadrapo no 
local de acordo com o 
tamanho da ferida. Em 
certos locais, o
 esparadrapo não deve 
ser utilizado, como nas 
articulações, por exemplo.
 Nestes casos, utilize 
ataduras ou gaze. Estas 
devem ser colocadas de 
maneira que não afrouxem 
ou comprimam muito o 
machucado. 
5. Procure um médico, 
para que este avalie a 
real situação do ferimento 
e possa fazer um 
curativo adequado.



HPV




HPV O QUE É??


HPV ou Papilomavírus
 humano
 (Human papillomavirus)
 é um vírus de
  de transmissão
 preferencialmente
 sexual, considerado
  como a DST
 (doença sexualmente
 transmissível) mais
 freqüente no mundo.
São  vírus da família
Papilomaviridae,
capazes de induzir
lesões de pele ou
 mucosa, as quais
 mostram um
crescimento
limitado e habitualmente
 regridem espontaneamente
 por ação do sistema
imunológico.
 Existem mais de 200 tipos
 diferentes de HPV, dos
 quais cerca  de 45 infectam
 a área ano-genital
masculina e feminina.


Qual sua importância 
no trato genital  ?

A infecção genital ou
 anal pelos HPV pode
 causar lesões benignas
(condilomas acuminados
ou verrugas genitais ou
cavalo de crista) tanto em
 homens quanto mulheres
 e lesões pré-cancerosas
e câncer propriamente dito,
 principalmente do colo
 uterino. O grupo de vírus
 que causa a lesão benigna
é diferente do grupo que
causa a doença maligna.
Estudos desde a década
 de 80 comprovaram que
o HPV é o agente causador
 do câncer do colo uterino.
 Mas para a mulher ter este
 tipo de câncer, além da
 presença do vírus, necessita
 de outros fatores
 (imunológicos, hormonais,
dietéticos e ambientais) que
irão propiciar o crescimento
 e a evolução das lesões
 HPV induzidas.


Como os HPV são
 transmitidos?



A transmissão do
HPV se faz por
 contato direto
com a pele ou
 mucosa infectada.
 A maioria das
  vezes (95%)  são
transmitidos através
da relação sexual,
mas em 5% das
  vezes poderá  ser
 através das mãos
contaminadas pelo
 vírus,  objetos,
 toalhas e roupas,
desde que haja
 secreção  com vírus
 vivo em contato
 com pele ou mucosa
 não íntegra.

Há alguma diferença
na transmissão
 entre homens e
  mulheres?
A transmissão
 da infecção pelo
 HPV independe do
sexo, sendo
 facilmente
 transmitidas do
 homem para a
  mulher e vice-versa
e até mesmo nas
 relações
homossexuais.
 Entretanto, devido
  às características
genitais diferentes, as
 manifestações e
 complicações desta
 infecção são mais
 freqüentes nas
 mulheres.


 Qual é o risco de desenvolver 
câncer do colo de útero?


Estudos
epidemiológicos
têm mostrado que,
apesar da infecção
 pelo papilomavírus
ser muito comum
( média de 25 %
 das mulheres
brasileiras estão
  infectadas pelo vírus),
somente uma
 pequena fração
 (1%) das mulheres
 infectadas com
um tipo de HPV
de alto risco
  oncogênico irá
 desenvolver o câncer
 do colo de útero.

DIAGNOSTICO

O diagnóstico
 depende do tipo
 de manifestação
do vírus. Nos
 casos de infecção
  clínica podemos
 fazer diagnóstico
 a olho nu, ou seja
  as lesões
 verrucosas são
 facilmente
 diagnosticadas,
não sendo
 necessário
nenhum outro
 tipo de exame .
 Nas infecções
subclínicas
necessitamos
 de  exames
  complementares
 como a citologia
 (exame de
Papanicolaou ou
 Preventivo),
histologia (biópsia)
 ou colposcopia
 (ampliação das
 imagens com
 auxílio de um aparelho
 especial denominado
 colposcópio).


PREVENÇÃO


Como a forma mais freqüente
 de aquisição da infecção é
 sexual, as medidas de
 prevenção das DST
 são as  mais
 importantes, tais como:
Uso do preservativo
 (camisinha) nas
relações sexuais.
Evitar ter muitos
parceiros ou
 parceiras sexuais.
Realizar exame
 ginecológico
 periódico
 (ideal a cada 6 meses).
Realizar o exame
de Papanicolaou
 pelo menos uma
 vez por ano.
É importante ressaltar
que o uso do preservativo,
 apesar de prevenir a
maioria das DST, não
impede totalmente a
 contaminação pelo
 HPV, pois, freqüentemente
as lesões estão presentes
em áreas não protegidas
pela camisinha (raiz da
 coxa, perianal, etc).


VACINA                
A vacina anti-HPV é um
produto manufaturado
 pelas técnicas atuais
de engenharia
genética. Produzida
  através do gen
 do HPV que
 sintetiza a cápsula
do vírus em
 laboratório,
a vacina
anti-HPV
 (monovalente,
bivalente
ou quadrivalente)
nada mais é do
 que a cápsula
 do vírus sem
 o conteúdo
 genético
 (portanto, incapaz
de induzir infecção)
 que é inoculado
 no indivíduo
 para estimular
 a produção de
 anticorpos que
irão proteger contra
 a infecção no momento
 do contato com o vírus.


RISCO DE HPV NA
 GRAVIDEZ..

                   
A infecção HPV não
 interfere na  formação
 do feto nem impede o
parto vaginal (parto normal).
 A via de parto (normal ou
cesariana) deverá ser
determinada pelo médico
 após a análise individual
 de cada caso. As mulheres
 infectadas pelos HPV que
 causam verrugas genitais
 (principalmente HPV 6 e 11)
 apresentam um risco mínimo
 de transmissão destes vírus
 para seu bebê que poderá
 desenvolver estas lesões
 no trato respiratório
 (papilomatose respiratória
 recorrente).



VACINAR 10 DE
MARÇO


Vacinação de meninas
contra HPV começa
 dia 10 de março.

Campanha tem como
alvo meninas de 11 a
13 anos; a vacina tem
 eficácia de 98,8%
contra o câncer do
colo de útero

A vacina contra o
 Papiloma Vírus
Humano (HPV)
começará a ser
 ofertada no Sistema
 Único de Saúde (SUS)
 no dia 10 de março,
para meninas de 11
a 13 anos. O objetivo
 é vacinar pelo
 menos 80% da
população-alvo,
 formada por 5,2
 milhões de meninas.


O esquema de vacinação
 é recomendado pela
 Organização Pan-Americana
de Saúde e gera melhor
 resposta imunológica
ao vírus. Em 2015, o SUS
vai vacinar meninas de 9
 a 11 anos e em 2016
 passarão a ser
 vacinadas apenas
meninas de 9 anos.





sexta-feira, 24 de janeiro de 2014

DOENÇA DE CROHN

DOENÇA DE CROHN





DOENÇA DE CROHN

Dores abdominais, diarreia
 e perda de peso são os
 sintomas mais comuns
 da doença de Crohn, 
inflamação do aparelho
 digestivo que acomete
 qualquer parte do trato
 intestinal, da boca ao ânus,
 e atinge principalmente o
 íleo (parte final do intestino
 delgado) e o cólon. 


Febre, presença de sangue
 nas fezes, lesões na pele e
 inflamações oculares podem
 completar o quadro sintomático.
 “A doença pode ser sistêmica,
 ou seja, afetar o corpo de 
forma generalizada”,  A anemia
 (quantidade insuficiente de
 ferro no organismo) pode ser
 uma consequência: com o
 intestino prejudicado, a
 absorção de nutrientes 
é reduzida, o que explica
 a falta desse mineral.


A manifestação mais severa
 da doença de Crohn tem alto
 risco de complicações. Entre 
as mais frequentes estão as 
obstruções intestinais e o 
surgimento de fístulas na 
região próxima da bexiga,
 da vagina ou ainda da parede
 abdominal. Se não tratada, a
 doença pode até levar à morte.

Por predisposição genética, 
pessoas com ascendência
 judaica estão mais propensas 
a desenvolver a doença, assim 
como os fumantes também têm
 têm riscos maiores
 do que os não-fumantes, 

 Hoje se sabe, ainda, que essa
 condição é mais prevalente 
  países industrializados.




Diagnóstico e tratamento

Ainda não há cura para a 
doença de Crohn, mas é
 possível controlá-la.
 Anti-inflamatórios e 
alimentos que possam 
causar desconforto
 estomacal devem ser
 evitados. Também há
 a recomendação de
 se evitar o estresse 
e a ansiedade, já que 
estudos científicos
 relacionaram esses
 sentimentos a uma
 piora no quadro.O
 tratamento mais 
utilizado inicialmente é
 a prescrição de 
antibióticos ou corticoides
 e, em alguns casos, é
 possível optar também
 pelo uso de
 imunossupressores.
 O objetivo é estabilizar
 e manter a doença inativa,
 mantendo o intestino sem 
sinais de inflamação.
 Infelizmente, a recaída é comum

Assistência de Enfermagem na
Doença de Crohn

- a enfermeira administrar os
medicamentos anti colinérgicos
conforme prescritos para aliviar
a dor.

- registrar frequência e 
consistência das fezes


- encorajar a ingestão oral
de líquidos e monitorar
a velocidade do fluxo
intravenoso.

- monitorar pesos diários

- apoio emocional para
reduzir a ansiedade


- iniciar medidas para
disseminação da diarréia
(quando o cliente apresentar)
com restrições da dieta,
redução do estresse,
medicamentos anti
diarréicos prescritos.









VACINAÇÃO








VACINAÇÃO




IDADE     --                     VACINA

AO NASCER --      BCG E HEPATITE B

2 MESES  -------     (DTP/Hib/HB) PENTA,
                                    VIP,PNEUMO 10,ROTAVÍRUS

3 MESES  -------       MENC


4MESES  --------     (DTP/Hib/HB) PENTA,   
                                   VIP,PNEUMO 10, ROTAVÍRUS


5 MESES   ------      MENC


6 MESES --------     (DTP/Hib/HB) PENTA,
                                  PNEUMO 10, VOP
                                   


7 MESES ---------              


9 MESES  --------     FEBRE AMARELA


12 MESES -------     MENC, SCR


15 MESES -------     DTP, VOP, PNEUMO 10,
                            SCR-VARICELA (TETRAVIRAL)


6 MESES A < 2 ANOS   -----    INFLUENZA


4 A 6 ANOS  ------------      DTP, VOP






ATUALIDADE LENTES QUE MEDEM GLICOSE NO SANGUE...

LENTE PARA MEDIR GLICOSE




O "Google X Lab" anunciou nesta quinta-feira
 (16) que desenvolve lentes de contato que
 ajudarão pessoas com diabetes a controlar
  seus níveis de açúcar.

" Lentes inteligentes
 fabricadas para medir a taxa de glicose
  nas lágrimas",



Estas lentes funcionam "utilizando um 
pequeno dispositivo conectado a um 
detector de glicose miniaturizado, que
 estão contidos em duas camadas do 
material com o qual são feitas as lentes de contato"


Os testes clínicos estão em andamento, do
 mesmo modo que os procedimentos junto à 
agência de medicamentos dos EUA .

Os protótipos das lentes puderam determinar
 a glicose nas lágrimas a cada segundo e os
 pesquisadores analisam a possibilidade de
 integrar sinais luminosos para alertar sobre
 níveis perigosos.


quarta-feira, 22 de janeiro de 2014

GASTROSTOMIA

SONDAS GASTROSTOMIA

GASTROSTOMIA

É uma cirurgia feita para criar uma abertura
no estômago com finalidade de administrar
alimentos e líquidos.

Indicação  

-Clientes em uso de sonda nasogástrica
prolongada
- Distúrbios de deglutição
- Impossibilidade de ingestão via oral
- Doenças que impeçam o uso habitual
de alimentação(pós e pré operatório,
neoplasias,psiquiatricas, neurológicas
traumas etc..)
- Clientes submetidos à radioterapia

Cuidado de Enfermagem na adimistração
da dieta

- administrar dieta em temperatura morna
- preencher o equipo para não entrar ar
- manter gotejamento lento
- enquanto estiver recebendo a dieta
não ficar completamente deitado
para evitar refluxo
- após a infusão da injetar
água com seringa de 20 ml
- permanecer sentado pelo menos
meia hora para facilitar a digestão

Cuidados da Sonda

- fixar a sonda no abdome para
evitar tração
- realizar curativo caso tenha secreção
- higienizar com água e sabão ao redor
da gastro para evitar infecção,
queimadura devido suco
gástrico.
- avaliar estado da pele diariamente
- administrar um mediacamento por
vez para evitar obstrução.

segunda-feira, 20 de janeiro de 2014

FRASE DE MOTIVAÇÃO

FELICIDADE

A MELHOR MANEIRA DE SER FELIZ É
CONTRIBUIR PARA A FELICIDADE
DOS OUTROS. ( CONFÚCIO)

DOENÇA DE ALZHEIMER

ALZHEIMER

O QUE É  A DOENÇA DE ALZHEIMER

É uma doença degenerativa que destrói as
células do cérebro lenta e
progressivamente, afetando o
funcionamento mental
(fala, pensamento,memória,etc..)
O mal de Alzheimer atinge cerca
de 1% da população na faixa
dos 65 anos de idade.

Sintomas

No início são pequenos
esquecimentos, normalmente
aceitos pelos familiares como
processo normal do envelhecimento
mais que vai se agravando gradualmente.
Os clientes tornam-se confusos e por
vezes agressivos, passam a apresentar
alterações de personalidade, com
distúrbios de conduta e terminam
por não  reconhecerem os própios
familiares e até si mesmos quando
colocados frente a um espelho.

CAUSAS

Ainda não é conhecida
cientificamente.

TRATAMENTO

Tratamento especifíco com
drogas que podem corrigir o
desequilíbrio no cérebro e é
melhor aceito na fase inicial da
doença. É temporário, pois a doença
continua progredindo.

CUIDADOS DE ENFERMAGEM
COM O DOENTE COM
ALZHEIMER

1)
Tratamento especifíco utilizando
medicamentos com o fim de tentar
corrigir o desequilíbrio no cérebro e
tem sua funcionalidade apenas na
primeira fase da doença,
considerando que a mesma é
progressiva.

2) Trata alterações comportamentais
e se dá exclusivamente através de
instrução de diversos profissionais
da  saúde. Esse tipo de cuidado é o
mais utilizado pela enfermagem e
depende da fase e sintomas que
o cliente está apresentando.
Como a sintomatologia não é
uma regra, em cada fase o
cliente exige um tratamento
especifíco, sempre visando
sua auto-estima e bem estar.
Lembramos que o lema para o
cuidador é sempre!!!
PACIÊNCIA,PACIÊNCIA E
MUITA PACIÊNCIA.

NEUROCISTICERCOSE

CICLO EVOLUTIVO DA TAENIA SOLIUM

O QUE E NEUROCISTICERCOSE???
É o termo usado para aludir à infecção
do sistema nervoso central pela forma
larvária de Taenia Solium, sendo problema
particulamente comum em Países
Latino-Americanos, Asiáticos e
Africanos.
É uma doença de origem parasita
e potencialmente endêmica e
ocasiona sobre tudo,epilepsia
crônica.

Estima-se que 50 milhões de
indivíduos estejam infectados
pelo complexo teníase/cisticercose
no mundo e que 50.000 morrem a
cada ano.

CICLO EVOLUTIVO
HOMEM- DEFINITIVO
PORCO- INTERMEDIÁRIO
CISTICERCO= ALOJA-
Carne de porco ingerida crua
ou mal cozida, chega ao
intestino do homem- Taenia Solium

CONTAMINAÇÃO

Ovos de Taenia Solium
Mãos contaminadas
Verduras cruas
Água contaminada

DIAGNÓSTICO
TOMOGRAFIA
CULTURA DE LCR

PREVENÇÃO

Aprimoramento das condições
do saneamento ambiental
Fiscalização da qualidade da carne
Educação sanitária da população,
modernização da suinocultura e
eficacia na inspeção da carne.

ORIENTAÇÃO AO CLIENTE
COM NEUROCISTICERCOSE

1- Lavar as mãos sempre que
usar o banheiro ou antes das
refeições.
2- Beber água filtrada ou
fervida.
3- Ingerir carne cozida e
bem passada.
4- Casa limpa  e
terreno  ao redor
5- Comer em lugares
limpos e higiênicos
6- Andar somente
calçado
7- Não nadar em rios e lagos



SÍNDROME DE STEVENS-JOHSON

STEVENS- JOHNSON

O QUE É SÍNDROME DE 
STEVENS JOHNSON

É UMA FORMA GRAVE, ÀS VEZES
FATAL, DE ERITEMA BOLHOSO
QUE ACOMETE O TEGUMENTO
E AS MUCOSAS ORAL,GENITAL,
ANAL E OCULAR.

ETIOLOGIA

Consiste em uma reação alérgica
grave, envolvendo erupção cutânea
nas mucosas, podendo ocorrer nos
olhos, nariz, uretra, vagina, trato
gastrointestinal e trato respiratório,
ocasionando processos de necrose,
com causa idiopáticas.
A reação alérgica pode ser causada
por estímulos como drogas,
infecções virais, entre outras.

SINTOMAS

Lesões cutâneas são máculas
eritematosas, bolhas sero-hemorrágicas
e púrpura, febre, mal estar, dores
musculares e artralgia.

DIAGNÓSTICO
Caracterização das erupções cutâneas

TRATAMENTO
Suspender os medicamentos suspeitos
Isolamento
Reposição endovenosa de liquídos e
 sais minerais perdidos devido a lesão.

CUIDADOS DE ENFERMAGEM
Realizar curativos
Precaução padrão de contato
Balanço Hidríco
Higiene Ocular
Aferir sinais vitais
Estimular ingesta hidríca
Observar perfusão periférica
Manter colchão piramidal
Medicação prescita de horário
 

AUTISMO E O PAPEL DA ENFERMAGEM

CRIANÇAS AUTISTAS BRINCAM E SÃO FELIZES

AUTISMO

É uma disfunção global do
desenvolvimento.
E  uma alteração que afeta a
  capacidade de comunicação do indivíduo,
 de socialização (estabelecer relacionamentos)
e de comportamento, expressa 
principalmente na repetição
  de movimentos, como balançar o corpo,
 rodar uma caneta, apegar-se a objetos ou 
  enfileirá-los de maneira estercotipada. 
Essas alterações costumam
aparecer antes dos 3 anos de idade, 
em sua maioria em crianças do sexo masculino.


CUIDADOS COM CLIENTES AUTISTAS



Para as crianças que sãoconfiáveis devem descobrir ométodo mais eficaz paraprestar-lhe assistência. No caso de internação ocontato do profissional coma família e de sumaimportância para oprogresso do tratamento. Recomendar aos paiscuidados físicos e aimportância da nutriçãoe de atividades adequadas. Identificação de sinais deestresse ou de enfrentamentoencaminha-se para o serviçoespecializado de apoio.O autismo infantil correspondea um quadro que exige abordagemdos diferentes profissionais de saúdee que estes visem a questões dedesenvolvimento social ecomunicativo,estimulando de certaforma a independência da criança.É imperioso focar em toda a famíliado cliente, para que esta tenhaparticipação assídua no tratamentoda criança.


O maior problema da criança autista
e quando a família não entende que
o autista tem que viver em sociedade.
A criança autista tem participar da 
sociedade como outras crianças sem 
autismo.
Na minha experiência profissional
sempre observei as mães com
crianças autista e percebi que
elas mesmas exclui o filho da sociedade.
Toda família tem que aprender a lidar
com o seu filho autista.
Jogar, passear, viajar, nadar estudar todas
essas atividades que um autista
pode e deve participar.
Interagir ao meio com outras 
crianças e viver em sociedade.
A enfermagem precisa
valorizar as queixas do paciente,
ter interesse ser prestativo,
participar e apoias as
necessidades da
criança e da família.










PRECAUÇÃO PADRÃO

EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL

PRECAUÇÃO PADRÃO

CONCEITO

Medidas de proteção adotadas
por todos os profissionais, em
relação a todos os clientes,
visando evitar qualquer tipo
de contato com sangue e
fluido corpóreos (pele
íntegra, não íntegra,
mucosas ou acidentes
pérfuro cortantes).


TIPOS
- Isolamento de contato:
uso de luvas,avental não estéril,
exemplos; HIV, DIARRÉIA
CURATIVOS,ABCESSO,HERPES
HEPATITE.

- Isolamento por
aerossóis:

-
uso de máscara N 95
exemplos; tuberculose,
sarampo e varicela.

Isolamento
Gotículas
- mascara cirúrgica
exemplos; gripe, caxumba.
rubéola,meningite
bacteriana.


TRANSMISSÃO
DA INFECÇÃO 

ENVOLVE TRÊS
ELEMENTOS

1- FONTE
Cliente, profissionais,artigos
visitantes.

2- Hospedeiro SuscetívelCliente, profissionais,vistantes

3- Via de transmissãoContato,aérea,veículo comum
vetor.

Modos de transmissãoSangue e fluídos corpóreos
Contato direto ou indireto
Gotículas
Aerossol


Isolar o paciente por que?
Evitar infecção cruzada
Ambiente hospitalar com
bactérias multiresistentes
Controle das infecções
hospitalares.



Isolamento Empírico

Diarreia- contato
Meningite- gotículas
Exantema- gotículas; aerossol
e contato
Respiratório- tuberculose ; aerossol
Pertussis;  gotículas 
Bactéria multi resistente ;  contato
Pele ou ferida com secreção; contato

PLACAS

AMARELO-  CONTATO
AZUL -   RESPIRATÓRIO
VERMELHO-   PRECAUÇÕES COM 
AEROSSOL
AMARELO  E AZUL- CONTATO E 
RESPIRATÓRIO
VERMELHO  E AMARELO - AEROSSOL
E CONTATO










sábado, 18 de janeiro de 2014

DEZ MANDAMENTOS DO CORAÇÃO SAUDÁVEL



PRATIQUE ESPORTES

1- DIGA NÃO A OBESIDADE E
CONTROLE O SEU PESO

2- CONSULTE O SEU MÉDICO
PERIODICAMENTE

3- MEÇA A SUA PRESSÃO
COM FREQÜÊNCIA

4- DIGA NÃO AO
FUMO

5- VERIFIQUE A QUANTIDADE
DE SAL NOS RÓTULOS
DOS ALIMENTOS

6- DIGA NÃO AO SEDENTARISMO
PRATIQUE   ESPORTES

7- ESCOLHA BEM OS ALIMENTOS

8- SAIBA SE É DIABÉTICO E
SE TEM COLESTEROL ALTO

9- EVITE O ESTRESSE

10- AME A VIDA E O
SEU CORAÇÃO.

CURSOS COREN 01/2014



21/01/2014
13h00 às 16h00
Aula:  Atendimento Inicial à Parada Cardiorrespiratória em Pediatria
Abertura de Inscrições:
Profissionais: 17/01/2014 às 15h00
30
22/01/2014
09h00 às 12h00
Palestra: Métodos de Esterilização de Materiais Hospitalares
Saiba Mais

Abertura de Inscrições:
Profissionais: 10/01/2014
Estudantes: 17/01/2014
155
22/01/2014
13h00 às 16h00
Aula: Humanização em UTI Pediátrica
Abertura de Inscrições:
Profissionais: 17/01/2014 às 15h00
50
23/01/2014
09h00 às 12h00
Oficina: Atualização em Aspiração Endotraqueal
Abertura de Inscrições:
Profissionais: 20/01/2014 às 15h00
30
23/01/2014
14h00 às 17h00
Palestra: Assistência de Enfermagem no Setor de Hemodinâmica
Saiba Mais

Abertura de Inscrições:
Profissionais: 13/01/2014
Estudantes: 20/01/2014
155
24/01/2014
09h00 às 12h00/
13h00 às 16h00
Visita Monitorada 
27/01/2014
09h00 às 12h00/
13h00 às 16h00
Visita Monitorada 
28/01/2014
09h00 às 12h00
Palestra: Suporte Avançado de Vida em Neonatologia
Saiba Mais

Abertura de Inscrições:
Profissionais: 17/01/2014 às 15h00
Estudantes: 24/01/2014 às 15h00
155
28/01/2014
13h00 às 16h00
Oficina: Atualização em Aspiração Endotraqueal
Abertura de Inscrições:
Profissionais: 24/01/2014 às 15h00
30
29/01/2014
09h00 às 12h00
Palestra: Exame Físico e Cuidados ao Paciente Pediátrico - Ações de Enfermagem
Saiba Mais
Abertura de Inscrições:
Profissionais: 17/01/2014 às 15h00
Estudantes: 24/01/2014 às 15h00
155
29/01/2014
13h00 às 16h00
Oficina: Introdução ao Cateterismo Vesical
Abertura de Inscrições:
Profissionais: 24/01/2014 às 15h00
30
30/01/2014
09h00 às 12h00
Aula: Atendimento Inicial à Parada Cardiorrespiratória em Pediatria
Abertura de Inscrições:
Profissionais: 24/01/2014 às 15h00
30
30/01/2014
14h00 às 17h00
Palestra: Assistência de Enfermagem ao Paciente Idoso
Saiba Mais
Abertura de Inscrições:
Profissionais: 20/01/2014 ás 15h00
Estudantes: 27/01/2014 às 15h00
155
31/01/2014
09h00 às 12h00/
13h00 às 16h00
Visita Monitorada

CURSOS COREN 02/2014




DIA/HORÁRIOMODALIDADE/TEMAVAGAS
03/02/2014
​09h00 às 12h00/
13h00 às 16h00
Visita Monitorada 
04/02/2014
09h00 às 12h00
Oficina: Introdução ao Cateterismo Vesical
Abertura de Inscrições:
Profissionais: 29/01/2014 às 15h00
30
04/02/2014
14h00 às 17h00
Palestra: Leucemias na Infância
Saiba Mais

Abertura de Inscrições:
Profissionais: 20/01/2014 às 15h00
Estudantes: 27/01/2014 às 15h00
155
05/02/2014
09h00 às 12h00
Palestra: Anotações de Enfermagem - A Importância do Tema no Cotidiano da Equipe de Enfermagem
Saiba Mais

Abertura de Inscrições:
Profissionais: 22/01/2014 às 15h00
Estudantes: 29/01/2014 às 15h00
155
05/02/2014
13h00 às 16h00
Aula: Atualização em Suporte Básico de Vida Adulto
Abertura de Inscrições:
Profissionais: 29/01/2013 às 15h00
30
06/02/2014
09h00 às 12h00
Aula: Cálculo e Diluição de Medicamentos - Revisão para Prática Segura
Abertura de Inscrições:
Profissionais: 31/01/2014 às 15h00
50
06/02/2014
14h00 às 17h00
Palestra: Tratamento de Feridas Crônicas - Investir X Paliar
Saiba Mais

Abertura de Inscrições:
Profissionais: 24/01/2014 às 15h00
Estudantes: 31/01/2014 às 15h00
155
07/02/2014
09h00 às 12h00/
13h00 às 16h00
Visita Monitorada
 
10/02/2014
09h00 às 12h00/
13h00 às 16h00
Visita Monitorada
 
11/02/2014
09h00 às 12h00
Palestra: Incontinência Urinária no Cliente com Lesão Medular
Saiba Mais

Abertura de Inscrições:
Profissionais: 29/02/2014 às 15h00
Estudantes: 05/02/2014
155
11/02/2014
13h00 às 16h00
Aula: Humanização em UTI Pediátrica
Abertura de Inscrições:
Profissionais: 05/02/2014 às 15h00
50
12/02/2014
09h00 às 12h00
Palestra: Exercitando a SAE (Sistematização da Assistência de Enfermagem)
Saiba Mais
Atividade restrita a Enfermeiros(as)

Abertura de Inscrições:
Profissionais: 29/01/2014 às 15h00
Estudantes: 05/02/2014 às 15h00
155
12/02/2014
13h00 às 16h00
Oficina: Atualização em Aspiração Endotraqueal
Abertura de Inscrições:
Profissionais: 07/02/2014
30
13/02/2014
09h00 às 12h00
Oficina: Atualização em Sondagem Enteral
Abertura de Inscrições:
Profissionais: 10/02/2014 às 15h00
30
13/02/2014
14h00 às 17h00
Palestra:  Urgências Obstétricas
Saiba Mais

Abertura de Inscrições:
Profissionais: 31/01/2014 às 15h00
Estudantes: 07/02/2014 às 15h00
155
 
14/02/2013
09h00 às 12h00
13h00 às 16h00
Visita Monitorada 
17/02/2013
09h00 às 12h00
13h00 às 16h00
Visita Monitorada 
18/02/2014
09h00 às 12h00
Palestra:  Princípios Básicos da Imunização
Saiba Mais

Abertura de Inscrições:
Profissionais: 05/02/2014 às 15h00
Estudantes: 12/02/2014 às 15h00
155
18/02/2014
14h00 às 17h00
Oficina: Atendimento a Obstrução de Vias Aéreas por Corpo Estranho (OVACE) em Pediatria
Abertura de Inscrições:
Profissionais: 14/02/2014 às 15h00
30
19/02/2014
09h00 às 12h00
Oficina: Atualização no Manejo com Drenos
Abertura de Inscrições:
Profissionais: 14/02/2014 às 15h00
30
19/02/2014
14h00 às 17h00
Palestra: Assistência de Enfermagem à Criança e à Família
Abertura de Inscrições:
Profissionais: 05/02/2014
Estudantes: 12/02/2014
155
20/02/2014
09h00 às 12h00
Oficina: Atualização em Coleta de Papanicolaou
Atividade restrita a Enfermeiros(as)

Abertura de Inscrições:
Profissionais: 17/02/2014 às 15h00
30
20/02/2014
14h00 às 17h00
Palestra: Edema Agudo de Pulmão - Diagnóstico e Cuidados
Saiba Mais

Abertura de Inscrições:
Profissionais: 07/02/2014
Estudantes: 14/02/2014
155
21/02/2014
09h00 às 12h00/
13h00 às 16h00
Visita Monitorada 
24/02/2014
09h00 às 12h00/
13h00 às 16h00
Visita Monitorada 
25/02/2014
09h00 às 12h00
Aula: Atendimento Inicial à Parada Cardiorrespiratória em Pediatria
Abertura de Inscrições:
Profissionais: 21/02/2014 às 15h00
30
25/02/2014
14h00 às 17h00
Palestra: Liderança Participativa do Enfermeiro na Gestão de Riscos nas Unidades Assistenciais
Atividade restrita a Enfermeiros(as)

Abertura de Inscrições:
Profissionais: 10/02/2014 às 15h00
Estudantes: 17/02/2014 às 15h00
155
26/02/2014
​09h00 às 12h00
Oficina: Introdução ao Cateterismo Vesical
Abertura de Inscrições:
Profissionais: 21/02/2014 às 15h00
30
26/02/2014
14h00 às 17h00
Palestra: O Idoso Institucionalizado - Assistência de Enfermagem
Saiba Mais

Abertura de Inscrições:
Profissionais: 12/02/2014 às 15h00
Estudantes: 19/02/2014 às 15h00
155
27/02/2014
09h00 às 12h00
Oficina: Atualização em Punção Venosa Periférica
Abertura de Inscrições:
Profissionais: 24/02/2014 às 15h00
30
27/02/2014
14h00 às 17h00
Palestra: Qualidade do Serviço de Enfermagem na Acreditação Hospitalar
Saiba Mais

Abertura de Inscrições:
Profissionais: 14/02/2014 ás 15h00
Estudantes: 21/02/2014 às 15h00
155
28/02/2014
09h00 às 12h00/
13h00 às 16h00
Visita Monitorada