Pesquise no blog

segunda-feira, 20 de janeiro de 2014

AUTISMO E O PAPEL DA ENFERMAGEM

CRIANÇAS AUTISTAS BRINCAM E SÃO FELIZES

AUTISMO

É uma disfunção global do
desenvolvimento.
E  uma alteração que afeta a
  capacidade de comunicação do indivíduo,
 de socialização (estabelecer relacionamentos)
e de comportamento, expressa 
principalmente na repetição
  de movimentos, como balançar o corpo,
 rodar uma caneta, apegar-se a objetos ou 
  enfileirá-los de maneira estercotipada. 
Essas alterações costumam
aparecer antes dos 3 anos de idade, 
em sua maioria em crianças do sexo masculino.


CUIDADOS COM CLIENTES AUTISTAS



Para as crianças que sãoconfiáveis devem descobrir ométodo mais eficaz paraprestar-lhe assistência. No caso de internação ocontato do profissional coma família e de sumaimportância para oprogresso do tratamento. Recomendar aos paiscuidados físicos e aimportância da nutriçãoe de atividades adequadas. Identificação de sinais deestresse ou de enfrentamentoencaminha-se para o serviçoespecializado de apoio.O autismo infantil correspondea um quadro que exige abordagemdos diferentes profissionais de saúdee que estes visem a questões dedesenvolvimento social ecomunicativo,estimulando de certaforma a independência da criança.É imperioso focar em toda a famíliado cliente, para que esta tenhaparticipação assídua no tratamentoda criança.


O maior problema da criança autista
e quando a família não entende que
o autista tem que viver em sociedade.
A criança autista tem participar da 
sociedade como outras crianças sem 
autismo.
Na minha experiência profissional
sempre observei as mães com
crianças autista e percebi que
elas mesmas exclui o filho da sociedade.
Toda família tem que aprender a lidar
com o seu filho autista.
Jogar, passear, viajar, nadar estudar todas
essas atividades que um autista
pode e deve participar.
Interagir ao meio com outras 
crianças e viver em sociedade.
A enfermagem precisa
valorizar as queixas do paciente,
ter interesse ser prestativo,
participar e apoias as
necessidades da
criança e da família.










Nenhum comentário:

Postar um comentário